10 de nov de 2012

(Resenha) A Culpa é Das Estrelas - John Green


Livro: A Culpa é Das Estrelas
Série: Nenhuma
Autor(a): John Green
Páginas: 283
Editora: Intrínseca
Avaliação: 5/5 (favorito)
Resenha:

Como começar a falar de um livro, quando as palavras não são suficientes para descrevê-lo da forma como deveria ser descrito? Eis a questão. Eu gostei tanto desse livro que não tenho nem medo de recomendar a qualquer um que ler esse post. Sério mesmo. Diria que é leitura obrigatória. Acho que legal mesmo é começar a ler esse livro sem saber muita coisa, além do básico. Então a resenha vai ser bem simples por que espero de verdade, que quem não tenha lido ainda, comece o mais rápido possível :)

Em A Culpa é Das Estrelas vamos conhecer a vida da Hazel Grace, uma menina de 16 anos que desde os treze é obrigada a conviver com um câncer de pulmão. Como se isso não bastasse, ela é uma paciente em estado terminal e o que lhe resta são apenas alguns anos. Pouco antes de completar 17 anos, a mãe de Hazel decide colocá-la em um Grupo de Apoio para crianças com câncer. Ela não quer ir, mas a mãe insiste em levá-la por que acha que a filha está deprimida e que precisa viver sua vida da melhor maneira possível (o que não inclui ficar em casa pro resto da vida). Ela enfim aceita ir, mas não acha que isso vai mudar muito o destino que pra ela, já foi traçado no dia de seu diagnóstico. 

Acontece que ela não está certa, por que nesse mesmo dia o Isaac, colega da Hazel, leva um outro garoto pro Grupo de Apoio. O Augustus Waters, que teve osteossarcoma e perdeu uma das pernas. Vale lembrar que o Augustus é super gato misterioso e chama a atenção dela logo de cara. Eles se conhecem e BUUUM! a vida dos dois mudam completamente.

Na boa vou logo dizendo: ele era um gato. Se um cara que não é gato encara você sem parar, isso é, na melhor das hipóteses, esquisito, e na pior, algum tipo de assédio. Mas se é um cara gato... na boa... - Página 16



Esse livro me trouxe um misto de emoções. Combina drama, romance e comédia de um jeito que eu nunca havia experimentado antes. É tipo assim: você está rindo e quando vira a página começa a chorar sem conseguir parar. E o melhor de tudo é que traz aquele sentimento de esperança, de que não importa o quanto as coisas estejam difíceis, a dor sempre é amenizada quando temos alguém por perto. Às vezes eu parava e ficava pensando: Poxa, como eu reclamo da minha vida. Como muitas vezes não paro um minuto para agradecer pela saúde que eu tenho. Por problemas (se é que podem ser chamados assim) que não significam nada perto daqueles que ameaçam tirar a vida de alguém a qualquer momento. Acho que valeu à pena só por ter me feito pensar nisso tudo.

Passei a maior parte da minha vida tentando não chorar na frente das pessoas que me amavam. Você trinca os dentes. Você olha pra cima. Você não deve se transformar numa mera tristeza, então não vai chorar, e você diz isso tudo pra si mesmo enquanto olha para o teto. Aí engole em seco, mesmo que sua garganta não queira, olha para a pessoa que ama você e sorri. - Página 194
Emocionante, delicioso, divertido e surpreendente. Recheado de reviravoltas que me deixaram completamente apaixonada pelos personagens. Virou favorito com certeza, recomendo sem dúvida alguma!

Um comentário: